Autor: Anikait Panikker

Criado em 2009 pelo pseudônimo Satoshi Nakamoto, o nascimento do Bitcoin abalou os mercados financeiros globais. Embora o BTC tenha sido a primeira criptomoeda, é o conceito de ativos digitais que mudou o mundo. Com a tecnologia continuando a progredir em ritmo acelerado desde 2009, há um campo que ainda precisa ser totalmente digitalizado: serviços financeiros. Com o início dos bancos online, transações peer-to-peer (ponto-a-ponto) e outros desenvolvimentos, a circulação da moeda fiduciária continua a ocorrer no mundo real. No entanto, com os ativos digitais ganhando força junto ao público em geral, nas instituições e agora nos governos, existe uma possibilidade real de que a moeda possa desempenhar um papel importante no mundo digital.

De acordo com o  The Block, as exchanges centralizadas de ativos digitais relataram mais de US$14 trilhões em volume de negociação apenas em 2021. Em contraste, essa estatística é um aumento exponencial de 689% em comparação com os volumes de negociação de 2020. Os investidores de varejo compõem uma grande parte da base de clientes das exchanges mencionadas e, com o interesse no comércio de criptomoedas disparando no ano passado, muitos se uniram a grandes exchanges ​​para fazer parte do movimento em direção à digitalização. Alcançar um aumento de 689% nos volumes de negociação em um único ano pode ser atribuído ao interesse individual do varejo em obter um “pedaço do bolo”. No entanto, é importante observar que esses números não podem ser alcançados sem que forças externas, como indivíduos poderosos, celebridades e corporações, demonstrem maior interesse em ativos digitais. Por exemplo, Elon Musk, a pessoa mais rica do mundo, tem desempenhado um papel influente nos mercados com seus tweets. Apelidado de “efeito Musk”, o preço do Bitcoin subiu US$6.000, aumentando sua capitalização de mercado em US$111 bilhões apenas devido a Musk mudar sua Bio no Twitter para “#bitcoin”. Considerando um aumento de 689% no valor de negociação das exchanges de criptomoedas devido a vários atores começando a acreditar em moedas digitais, é definitivamente um passo na direção certa.

À medida que o interesse por parte de investidores de varejo em ativos digitais vem crescendo, os investidores institucionais e as empresas que cada vez mais adotam ativos digitais podem levar o setor a novos patamares recordes. Sam Bankman-Fried, CEO da exchange FTX, afirmou que a adoção institucional de criptoativos pode acelerar em 2022. Embora seja incerta a rapidez que essa adoção possa ocorrer neste ano, Bankman-Fried expressa que o status desse movimento depende muito da frente regulatória. Alcançar a clareza regulatória é um desafio que precisa ser enfrentado, porque sem solidificar a infraestrutura legal em torno da adoção de ativos digitais, a percepcão do potencial vantajoso das criptomoedas terá vida curta. Atualmente, todos os grandes bancos de investimento, fundos de pensão e outras entidades públicas já estão de olho no setor, abrindo caminho para futuras participações. Instituições financeiras como BlackRock, Mastercard e Visa já introduziram ofertas relacionadas a ativos digitais. Além disso, empresas por todo o mundo já detém mais de 1,6 milhão de Bitcoins, e esse número deve aumentar devido à recente queda do ativo. A partir de 2021, essas empresas detêm um valor agregado de mais de 1.660.473 BTC em seus balanços, o que representa mais de 8% da oferta total de Bitcoin. A empresa de inteligência de negócios de Michael Saylor, MicroStrategy, lidera com 124.391 Bitcoins e responde por mais de 75% do total de capitalização de mercado da empresa. Em segundo lugar está a Tesla, que fez uma compra de Bitcoin no valor de US$1,5 bilhão no início de 2021. Subsequentemente, a fabricante de carros elétricos começou a aceitar criptomoedas como meio de pagamento. Como esses são ótimos exemplos das vantagens que os criptoativos podem ter nas maiores empresas do mundo, toda a extensão do que o Bitcoin e outras criptomoedas podem oferecer depende muito da velocidade com que a regulamentação se adapta ao rápido crescimento do interesse em ativos digitais em nome de investidores institucionais.

O mundo dos ativos digitais cresceu substancialmente e continua crescendo. Na mídia tradicional e nos fóruns online, pode ser assustador ver o domínio das conversas que giram em torno da adoção institucional de criptoativos. Com grandes empresas continuando a adicionar ativos como Bitcoin aos seus livros, há validade em questionar o significado da criptomoeda para o consumidor médio. No entanto, é importante observar que, com uma maior adoção institucional de ativos digitais, há uma esperança maior no aumento da utilidade dos diferentes ativos que agregam valor aos ativos digitais que você obtém na sua exchange preferida.